A importância da família na terceira idade Imprimir
Avaliação do Usuário: / 36
PiorMelhor 
Qua, 04 de Junho de 2014 15:50

Acompanhar o idoso, no seio da família, é uma experiência que acarreta fortes sentimentos de gratificação para as pessoas que mantêm um vínculo afetivo forte com este. A família, e outras pessoas significativas, que têm oportunidade de desempenhar um papel fundamental no apoio ao seu ente querido.

Hoje em dia, após as transformações sociais e culturais que percebemos ao longo do tempo, sabemos que este conceito de família se mantém válido, entretanto foi profundamente transformado. Assim, a família não inclui só o nosso agregado familiar, que são os familiares mais alargados, e com quem estabelecemos laços afetivos fortes. Também pessoas as quais mesmo não tendo laços de sangue, desempenham uma função vital no apoio e cuidados dos nossos entes queridos.

A transição do estado adulto para a velhice é um processo que provoca grandes alterações na autoestima e autoimagem destas pessoas.Tendo em conta alguns aspectos, a família representa um meio protegido, em que o idoso pode manter um papel ativo e importante.

A pessoa idosa, no seio da família, mantém-se como um importante recurso. Quando considerado, o idoso é, não só uma referência de conhecimentos e aconselhamento, mas, como uma pessoa que tem uma experiência de vida que deve ser valorizada. Além de uma mais-valia na participação nos cuidados e contato com as gerações mais novas. Ser um avô participante, no seio da família, representa uma fonte de gratificação para o idoso e um importante laço estruturante na educação dos mais novos.

Neste contexto, o papel da família no apoio ao idoso passa por valorizar a pessoa em questão: os seus conhecimentos, opiniões e aconselhamentos. Além disso, passa a garantir que em caso de necessidade, o idoso tem acesso ao apoio e cuidados necessários à sua saúde.

Um dos principais problemas no idoso consiste no isolamento social e em sentimentos de solidão. Também em relação a estes aspectos, a família pode agir ativamente, integrando o idoso nas suas atividades do dia-a-dia.

O estilo de vida atual, muitas vezes, dificulta a presença da família no cuidado ao idoso – no entanto, existem muitas possibilidades de conciliar estes papéis através das diferentes estratégias disponíveis nos serviços de saúde. Também quando os elementos da família são capazes de distribuir responsabilidades, e for revezando entre si.

Em caso de doença, estas necessidades encontram-se acentuadas, e, a presença da família é determinante para o acompanhamento da qualidade de vida do idoso. Além desses fatores, a família representa a resposta mais adequada para o cuidado ao idoso, respeitando e dando muito amor.

Aline Lopes

Psicóloga